domingo, julho 26, 2009

PJ PASSA DAS MARCAS

BPN Investigação abusa das pessoas

> A Polícia Judiciária, no âmbito das suas investigações, não tem o direito de levar a efeito um comportamento que ultrapassa todas as regras da lógica, da decência e do bom senso ao chegar ao ponto de quebrar toda a privacidade dos familiares dos alegados suspeitos no caso do BPN. O JORNAL DO PAU apurou que os inspectores da PJ que se deslocaram à residência de um suspeito do caso BPN, a fim de procurarem documentação que se relacionasse com fraudes ou burlas, tiveram o desplante de obrigar a mulher do proprietário do imóvel a acompanhá-los ao quarto de dormir e vasculharam todos os guarda-fatos e gavetas de roupa. Inclusivamente as gavetas de roupa interior que apenas recolhiam soutiens e cuecas. Os inspectores obrigaram também a senhora a abrir o seu cofre pessoal onde possuia as jóias. O ridículo chegou ao ponto de os inspectores se terem colocado de rabo para o ar à procura, sabe-se lá de quê, debaixo da cama do casal. Documentação debaixo da cama e junto com a roupa interior?...
Entretanto, o JORNAL DO PAU apurou que a investigação do caso BPN irá chamar a interrogatório na próxima semana mais sete personalidades suspeitas de implicação nas fraudes e negócios ilícitos.

1 comentário:

Kruzes Kanhoto disse...

Tá mal, de facto. Só faltou, digo eu, pôr a senhora de cú para o ar...