terça-feira, outubro 19, 2010

PORTUGAL (7)





> Dois estudantes gastaram tudo o que os seus pais lhes puderam proporcionar para se licenciarem em Arquitectura. Os dois arquitectos obtiveram o mestrado e o doutoramento. Conseguiram arranjar trabalho num ateliê com um pagamento mensal a recibos verdes. Durante os últimos anos de trabalho apaixonaram-se e casaram. A empresa chamou-os e anunciou-lhes que a crise obrigava ao seu despedimento. Sem indemnização, sem subsídio de desemprego e sem perspectivas de novo trabalho, os dois arquitectos [já com um bom currículo] resolveram dirigir-se à Embaixada da Austrália. Trataram da documentação inerente ao precesso de emigração e a resposta foi positiva. Os dois profissionais venderam a casa, os carros, as pranchas de surf e tudo o que de valor possuiam. Vão partir para um país que já tem um ateliê à espera do seu conhecimento académico e profissional.

PS - Desejo-lhes as maiores venturas. Estou certo que daqui a dois anos estão de regresso para o gozo de umas ricas férias. E nas suas mãos, o novo passaporte de cidadãos australianos.

5 comentários:

manuel gouveia disse...

Existe esperança fora daqui...

Frei Abraan disse...

...faltou acrescentares que além do esforço familiar, nós, os contribuintes, concorremos com 4000 euros por ano para que cada um obtivesse a licenciatura! Não existem dados para o quanto nos custam os mestrados e doutoramentos.
Isto é, andamos a fazer filhos “na mulher dos outros” e “desmanchos nas nossas”!

floribundus disse...

estudei e trabalhei fora do país.
o outro fascismos ainda me aproveitou parcialmente. neste só existe lugar para 'bóis' analfabetos e corruptos. fujam emquanto é tempo

Guimaraes disse...

Triste realidade!!!

Pedro Coimbra disse...

E é assim que se aproveitam os talentos que se vão formando no país.
Triste João, muito triste.
Desejo-lhes as maiores felicidades num país que os quer acolher.
Quando o país onde nasceram os rejeita.