segunda-feira, outubro 18, 2010

A MINHA 'DICA' A PASSOS COELHO

> Pedro Passos Coelho tem as suas razões fundamentadas para não aprovar o Orçamento do Estado para 2011. Razões que advêm de vários factores, nomeadamente, a falta de transparência na despesa pública registada entre Maio e Setembro. O PSD é um conhecidíssimo saco de gatos, onde todos querem alguma coisa de muito visível, apesar de muitas vezes não fazerem a mínima ideia do que desejam. Como um Grupo Parlamentar que não lhe é favorável, o líder do PSD tem calçado umas botas com duas ou três pedras no interior que lhe provocam dor ao caminhar, especialmente, quando manifestou a sua repulsa pela aprovação do OE. Nesse sentido, Pedro Passos Coelho só tem uma solução para sair bem deste filme. E a minha "dica" é de borla. Não tenho a intenção de cobrar nada ao futuro primeiro-ministro. É uma "dica" simples, mas muito profunda e decisiva: Pedro Passos Coelho só tem que... dar liberdade de voto ao seu Grupo Parlamentar. 



PAU COMMENTS

Jorge Cabral*


PEDRO PASSOS COELHO VERSUS ORÇAMENTO
Sou um simples cidadão, alheio aos partidos políticos que em geral, considero serem os grandes responsáveis pela delapidação do país, quer em termos financeiros, como de valores e sobretudo de futuro, não só, mas também até pela chocante ausência de um elementar Plano Estratégico de Desenvolvimento Nacional a médio/longo prazos, que nos indicasse, só e tão só, para onde caminhamos.
Não tenho qualquer simpatia pelo PSD, sobretudo pelo exemplo de mesquinhez que nos tem dado, nas questiúnculas entre grupelhos de baronetes e que em bicos de pés tem perpretado tristes imagens, transmitindo para a comunidade exactamente o contrário do que deviam fazer. A expressão “saco de gatos” aplica-se com perfeição à ideia que tenho daquele Partido. Não é portanto, por qualquer simpatia, que aqui abordo a questao que o título indicia.
Passos Coelho está numa situação em que só por milagre não será queimado vivo pelos múltiplos “ratos…e ratas” que espreitam o momento certo para o atirar à fogueira que já estão atiçando. Sem um grupo parlamentar coeso e em cuja génese não esteve (aliás até foi dele escandalosamente banido), terá uma enorme dificuldade em não ser violenta e virulentamente criticado, seja qual for a “orientação” que entenda “impor-lhe” em matéria de aprovação do Orçamento de Estado para 2011.
Já se sabe que o dito documento é mais um exercício de merceeiro, sem dignidade, sem inteligência, sem lucidez, e sem quase nada do que é elementar constar num documento de tal magnitude. Mas, a verdade é que de um “governo” destes nada mais haveria de esperar.
Neste quadro, julgo que, no meu mais que humilde entender, Passos Coelho só pode ter uma posição para evitar, por um lado divorciar-se claramente de um Orçamento tão condenável, deplorável e prejudicial para o futuro imediato deste país e por outro lado, não assimilar o odioso das consequências que resultarão (só na boca dos seus opositores, segundo penso), da não aprovação do mesmo.
No lugar de Passos Coelho, eu explicaria fundamentada e conssubstanciadamente, até à exaustão, a minha posição como responsável máximo do Partido mas tomaria a decisão de:
- atendendo a que se trata de algo que, segundo todos os génios apregoam aos sete ventos, pode pôr em causa aspectos fundamentais da vida nacional,
- trazendo calamidades imensas (o que nem sequer é algo que não exista já).
- com consequências gravíssimas para todos nós (anseio pelo momento em que as consequências sejam mesmo para TODOS, o que, como se sabe hoje está bem distante de acontecer).
- e por tantas outras coisas más e péssimas que os arautos da desgraça têm orquestradamente anunciado.
- Atendendo ainda que qualquer imposição de sentido de voto estará longe de ser unânime, como  já se sabe pelas declarações impúdicas que muitos dos “donos” do PSD já trouxeram a público.
- E por último, tendo em consideração que só uma posição destas poderá contornar o perigo de iminentes atentados à unidade do Partido (coisa que nunca será conseguida em absoluto, pelo que dele já todos conhecemos).
Ele, Passos Coelho, embora pessoal e intimamente contrário à aprovação de um PÉSSIMO Orçamento como este o é de facto, deveria dar LIBERDADE DE VOTO segundo a consciência de cada um.
Dessa forma poderá passar (quase) incólume ao calor da fogueira que algumas bruxas e bruxos já mantêm em lume brando, acalentando a vontade sempre presente, naquele Partido, de fazer ruído, gerar conflito, exibir vaidades trôpegas, enfim, conflituar infantil e desqualificadamente, como se estivessem palrando em qualquer mesa de café.
Desta forma, o Orçamento passará e Passos Coelho poderá invocar ter assumido tal posição em função do Interesse Nacional, mantendo, simultâneamente a posição que sempre defendeu. Embora pareça dispiciendo, este comportamento mantém intocável o seu carácter e a sua integridade, factores indiscutíveis em qualquer líder. 
* Colaborador 
 

6 comentários:

ana buisel disse...

Boa, João! Ovo de Colombo...

a.marques disse...

Subscrevo, sendo que isso implicaria que Passos pusesse o governo a falar sózinho com um simples: Não há mais conversa!

Tite disse...

E que tal PPC pedir ao Governo que não mexa nas pensões e contribuições dos Portugueses mais pobres em troca da aprovação do OE?

Eles falam, falam mas eu não os vejo a fazer nada.

Claro que fico chateada!

Karocha disse...

Isso mesmo JES!
Eles estão no parlamento,para ver e votar o que é melhor para o povo e,não para brincarem de siga o chefe!
Mas, ainda não perceberam...

Pedro Coimbra disse...

Ainda não percebi que raio de obrigação tem PPC de viabilizar o Orçamento do PS.
Porque os notáveis querem?
O presidente do partido é ele.
Porque Cavaco quer?
Cavaco só tem que se entreter a fazer "a little presidenting" e dar oportunidade a PPC de liderar o partido.
Porque haverá crise política?
E vai daí?
Muitas vezes, as crises políticas têm um efeito regenerador.
Quem pode afirmar que não exactamente isso que se irá passar agora?

Anónimo disse...

PETIÇÃO «ORÇAMENTO DO ESTADO 2011»
Aos Deputados da Assembleia da República
http://www.peticaopublica.com/?pi=MC

Caro Concidadão/ã
Se entende que o Orçamento do Estado para 2011 é:
a) Socialmente catastrófico e injusto por penalizar abusivamente a larga maioria dos portugueses com menos recursos e já em dificuldades
b) Economicamente errado e irresponsável, por lançar o país na recessão e na insustentabilidade
b) Politicamente inaceitável, por tomar más decisões, sobejamente evidentes e contrárias à mais elementar justiça e ao interesse nacional

Junte-se à assinatura desta Petição, dirigida aos Deputados da Assembleia da República, para não aprovarem, na sua actual formulação, a Proposta de Orçamento do Estado para 2011.