quinta-feira, setembro 09, 2010

TRISTEZAS DA NOITE
















>
Esta noite foi marcada por dois actos enluvados de grande tristeza. Por um lado, é triste assistir a uma demissão encomendada de um seleccionador de futebol que tinha um contrato estabelecido precisamente com quem o despede injustificadamente. Atenção, que estamos à vontade para tomar esta posição porque sempre entendemos algo de muito diferente: sempre defendemos que Carlos Queiroz não tinha virtude profissional para ser o seleccionador. Posição esta, que é completamente diferente em estar de acordo com um despedimento vergonhoso onde o visado nem sequer teve ensejo de se defender.
Por outro lado, é triste assistir ao entendimento ilógico que Carlos Cruz exerce no sentido de defender a sua imagem, após oito anos de uma super visibilidade. Se Carlos Cruz tivesse optado pelo silêncio desde o momento da sentença judicial, esse silêncio teria sido ensurdecedor e faria tremer muitas hostes.

1 comentário:

a.marques disse...

E era preciso encomenda? Um condenado com palco encomendado!