terça-feira, junho 15, 2010

PAU PARA TODA A BOLA (12)


> "Volta Scolari!", ouvi a dois portugueses de três que foram entrevistados ao intervalo num canal de televisão. Os espectadores estavam desiludidos com a exibição de Portugal. Não sei por quê? O cinzentismo queiroziano era o mesmo. A falta de ambição queiroziana era a mesma. A falta de profundidade de jogo e de remates à baliza do adversário queiroziana era a mesma. Portugal mostrou que não tem treinador. A Costa de Marfim demonstrou precisamente o contrário, sob o lema "Anda cá que és meu!". E foi assim durante todo o jogo, com a Costa do Marfim a dominar no meio-campo, a concluir as jogadas mais perigosas e a terminar o encontro encostando Portugal às cordas de uma forma aflitiva. O 0-0 acabou por ser bom para Portugal.
Como é possível ir-se disputar um Mundial e não rematar uma vez sequer dentro da área. Apenas um remate de Ronaldo de bem longe e que atingiu o poste. E não foi golo porque os marfinenses não mereciam perder. Portugal só perdeu bolas, só lateralizou ou atrasou o esférico e tudo porque o assistente de treinador Queiroz não colocou em campo Simão com Hugo Almeida. Quando um jogador possante marca dois golos e é afastado, que dizer mais. Mas digo. A presença de Danny é absurda. A saída de Deco incompreensível, a entrada de Ruben Amorim em vez de Hugo Almeida de palmatória e as ordens para que o melhor jogador em campo, o jovem Fábio Coentrão, não passasse a linha de meio-campo é simplesmente o mostruário de quem não faz a mínima idei do que é treinar uma selecção. Fábio Coentrão é um fora-de-série, uma força da natureza, um lutador incansável. Quando tentava empurrar a equipa para o golo ficava a ver os seus colegas a serem desarmados.
Portugal realizou uma exibição ao mesmo nível dos jogos anteriores a que Queiroz habituou os seus apaniguados tais como o comentador Rui Santos. José Mourinho tinha muita razão quando afirmou que nem com Cristiano a mil à hora...
Resta-nos pedir desculpa aos milhares de portugueses residentes na África do Sul que entusiasticamente deslocaram-se ao estádio e viram uma selecção sem ambição a jogar para não perder. Vergonhosamente queiroziana...

4 comentários:

Pedro Coimbra disse...

Já vi jogos de aldeia (solteiros/casados, ou barrigudos e nem tanto) bem melhores que esta porcaria sonolenta.
E confesso que não percebi afinal que raio queria Carlos Queiroz.
Não perder?!

Anónimo disse...

Você foi muito benevolente para o assistente. Nunca vi uma porcaria tão grande.

a.marques disse...

Scolari Não!

ANTIFALSIDADES disse...

Queiroz, Queiroz só o Eça. "Eça" é que é "Eça"...