quinta-feira, junho 10, 2010

10 DE JUNHO BEM CELEBRADO

Capa (autografada) do último lançamento de Fernando Tordo

Fernando Tordo rodeado de admiradores no final do espectáculo


> Neste 10 de Junho, feriado em Portugal, à margem de todas as festividades e celebrações oficiais e oficiosas, decorria algo de mais belo que um discurso político ou uma parada militar. Prefiro os discursos musicais e, por isso, desloquei-me ao patrimonial e pouco divulgado Teatro D. Luís Miguel de Bragança, vulgo Teatro da Luz, em Lisboa.
Naquele pequeno teatro funciona o "palco da rádio" da Antena 1 onde, semanalmente, a ilustre voz de ouro Armando Carvalhêda convida artistas ou bandas portuguesas. Hoje, a estrela do éter foi o meu amigo de longa data Fernando Tordo.
Não podia faltar. Um abraço ao Fernando [não sei por quê] dá-me força de viver. Talvez porque o Fernando sempre foi um lutador através da palavra e da música. A sala histórica estava repleta. Não havia um lugar livre, mas não me importei por ficar de pé. Foi a melhor forma de aplaudir com maior entusiasmo.
Fernando Tordo continua igual ao primeiro dia da sua carreira que já leva 46 anos. Conversa com os espectadores, explica o que é um ré menor e entoa cantigas de outros tempos, deste tempo e de um tempo futuro. Um futuro em que o seu neto dirá aos amigos "É pá, ouve aqui esta do meu avô que é bué de fixe!".
O Fernando deliciou-me quando apresentou três novas canções: "Diz o Obama", "Caso Perdido" (do melhor para o seu espólio) e "Amy (Winehouse).
Um disco a não perder.
Um amigo a manter e um cantor a rever. Sempre!


PAU COMMENTS

Fernando Tordo disse...

Adorei reencontrar-te, saber que a tua mulher está melhor e da alegria que isso te dá; olhá-la outra vez leva-me anos para trás até à gentileza com que os dois me acompanharam até ao aeroporto de Macau, depois de terem sido cicerones dos meus dias naquela terra; a luta que sempre travaste na tua profissão e na vida, é aquela que diz respeito a quem não cala nem consente. Sabes que contas comigo. A vida está aí para ser vivida por todos, porque essa é uma exigência e um direito dos justos e dos bons, antes seja lá de quem for.
Teu, vosso amigo,
fernando tordo

6 comentários:

Fernando Tordo disse...

Adorei reencontrar-te, saber que a tua mulher está melhor e da alegria que isso te dá; olhá-la outra vez leva-me anos para trás até à gentileza com que os dois me acompanharam até ao aeroporto de Macau, depois de terem sido cicerones dos meus dias naquela terra; a luta que sempre travaste na tua profissão e na vida, é aquela que diz respeito a quem não cala nem consente. Sabes que contas comigo. A vida está aí para ser vivida por todos, porque essa é uma exigência e um direito dos justos e dos bons, antes seja lá de quem for.
Teu, vosso amigo,
fernando tordo

joãoeduardoseverino disse...

Obrigado, Fernando. As tuas palavras sensibilisam-me profundamente.
O meu voto é de grande êxito, muita saúde e felicidade para todos os teus.

Pisca disse...

Que pena não ter sabido, teria todo o gosto em ter ido ver esse espectáculo.
Até podia ser que encontrasse o Tordo que eu conheci:

-O Tordo ainda menino a tratar da adesão ao contrato dos Sheiks no Valentim de Carvalho

-O Tordo das cantigas de coragem escritas com o Zé Carlos e mais do cantadas ditas as palavras com toda a melodia que ele criava e que o Zé completava

-O Tordo que um dia foi para os Açores e por lá andou (e o Deck Mota amparou numa fase dificil)

-O Tordo que fez milhares de pequenos espectáculos nas mais incríveis condições para levar as cantigas da verdade aos mais diversos lugares

-O Tordo sobre quem um dia o Zé Carlos me dizia a mim e outros, não me paguem, mas paguem ao Tordo, porque está difícil

Mas se o espectáculo foi com o Tordo que há dias teve um escarro na RTP Memória dizendo esta maravilha:

- Houve "um partido" que se aproveitou do funeral do Ary dos Santos !!!

Então obrigado, fico com o outro Tordo, vale muito mais do que esta espécie que vai "imitando" o anterior

Pedro Coimbra disse...

O meu companheiro de viagem, entre Lisboa e Londres, quando vinha para Macau em 1995, João.
Um senhor!!

joshua disse...

Um belíssimo momento de amizade duradoura e pura, como deve ser. Um abraço ao Fernando Tordo e ao meu amigo João.

joãoeduardoseverino disse...

Obrigado pela tua sensibilidade, Joshua.
Abraço