segunda-feira, abril 12, 2010

TRAUMA

> Sinceramente nunca imaginei sofrer tanto durante mais de vinte dias, tantos quantos tive de me deslocar ao Hospital de Santa Maria para visitar a minha mãe ali internada. Um sofrimento em função do que os meus olhos captavam por todos aqueles corredores. Dezenas de doentes espalhados pelos muitos corredores em macas, num cenário dantesco mais semelhante com uma ante-câmara da morte. Gritos de dor, de demência, de algo incurável. Tudo se processa nos corredores. O tratamento, a higiene, a alimentação e as consultas médicas.
Nunca imaginei que o meu país ao fim de 30 anos de promessas de melhor vida para o povo à pala da liberdade e da democracia, atirasse com os seus doentes para condições degradantes e desumanas de assistência.
A partir de hoje, garanto-vos que nada mais quero com dirigentes políticos. Nem vê-los. Quando aparecerem na televisão terei forças para mudar de canal. No meu diário escrevi: "Morte à escumalha que mata o seu povo sem dó nem piedade".
Gastam-se fortunas no supérfluo, mas suspendeu-se a construção do prometido Hospital de Todos os Santos, no Alto do Lumiar em Lisboa. E para cúmulo de toda esta miséria politiqueira, está agora na calha, a pretender regressar ao poder, um PSD que a todo o custo só ficará satisfeito quando acabar com o Serviço Nacional de Saúde.
Estou traumatizado pelo que vi, pelo que vivi durante três semanas e pelo que me transmitiram os obreiros verdadeiros do bem-fazer: todos quantos trabalham nos hospitais. Uma palavra de grande apreço e admiração para as assistentes das enfermarias que trabalham quase como escravas por uma merda de 500 euros. A minha revolta não mais terá cura. Desculpem lá, mas nunca fui capaz de ser falso.

2 comentários:

joshua disse...

Os nossos sentimentos são iguais. O que vemos escandaliza. Na substância somos cada vez mais terceiro mundo graças à corrupção consentida. Grande abraço!

radical livre disse...

estou há 2 anos sem médico de familia.
como eu há mais 20 mil em 7 rios.
hoje vou novamente em peregrinação por causa do receituário

esta merda já é o outro mundo

se pudesse mandava-lhe o coelho de Albrecht Dürer

saúde e fraternidade