quinta-feira, abril 29, 2010

O MÉDICO


> O médico anda nas bocas do mundo. Por todas as razões. Trabalha de mais. Está de banco horas a mais. Tem horário. Não tem horário. Ganha pouco. Ganha muito. Está de manhã no público e à tarde no privado. Tem consultório onde faz uma fortuna. Não é humano. É solidário. Chega sempre atrasado. É impecável e atencioso. Tem um Porsche. Anda de Metro. Engata a enfermeira. Divorcia-se da colega. Meteu reforma antecipada.
O médico ganha muito dinheiro, mas esquecem-se que estudou muitos anos, especializou-se outros tantos. Sacrificou-se sem horário e é mal pago nos hospitais públicos onde chegaram a ter que enfrentar o disparate de marcar o ponto.
Médicos há muitos. Excepcionais, cientistas, bons, sofríveis e maus. Como em todas as profissões. A última que veio à baila é que os médicos não são portugueses e não prestam. Nos hospitais somos atendidos por moldavos, brasileiros, ucranianos, cubanos, russos, polacos, estónios, checos. Fruticor para frutimazelas. OPS! Mas, se os médicos estrangeiros não prestam, alto lá! e haja Ordem nisto. Ordem mesmo, porque trata-se da Ordem dos Médicos. Se não sabia, fique a saber: todos os médicos em serviço nos hospitais portugueses foram (mal ou bem) CREDENCIADOS pela Ordem dos Médicos... e esta, hein?

2 comentários:

radical livre disse...

os alunos portugueses que podem estudam medicina fora do país.
os outros 'fuderam-nos'

o mesmo acontece à Dra Leonor Beleza
a quem agora lambem as botas até fazer cócegas nas solas dos pés

Anónimo disse...

Sim, dei-me ao trabalho de fazer as contas: das últimas 14 vezes que tive contactos com médicos considero que fui mal atendido 12 vezes. 4 eram espanhóis (umas bestas!) e uma brasileira do Centro de Saúde de Castro Verde, feia como um trovão e oxigenada até ao ao tutano, antes de me fazer assinar um documento perguntou: « sabe ler?».