terça-feira, março 23, 2010

O FACTO SEM GRAVATA

> A agência Lusa apressou-se, no início do ano, a “unificar” a ortografia ao abrigo do acordo que faz tábua rasa da etimologia em benefício da “clarificação” da escrita no nosso idioma, como sustentam os seus doutos promotores. Acto passou a ato, afecto passou a afeto – e por aí fora. Presumo que mictório continua a escrever-se desta forma, segundo o novo livro de estilo da agência, que só suprime as consoantes supostamente mudas (continuando no entanto a escrever hino, hoje e hossana, apesar de não haver consoante mais muda do que o H).
Perceberam? Eu também não. E os largos milhares de portugueses que subscreveram a petição à Assembleia da República destinada a suspender ou revogar o disparatado acordo certamente estão tão confusos como eu. O mesmo deve acontecer, aliás, com o Ministério da Educação, que adiou o ensino da cambalhota ortográfica, revelando bastante mais bom senso do que os responsáveis da Lusa.
E já que falo na agência noticiosa, reparem nisto: a Lusa difundiu há dias uma notícia intitulada “Alemanha: Vaticano nomeia bispo para acompanhar casos de pedofilia”. Foi no passado dia 12, às 14.01. Um dos parágrafos desta notícia rezava assim:
«Segundo Zollitsch, “o papa está muito impressionado com o relato dos fatos”.»
Ora bem: nos termos do acordo, que nada unifica, serão respeitadas as diferenças fonéticas entre o Brasil e Portugal, continuando a escrita portuguesa a assinalar as consoantes aqui pronunciadas. É o que sucede ao C da palavra facto. Mas a Lusa não quer saber disso. No seu afã de aplicar a norma brasileira, viola o acordo por excesso de zelo, chamando fatos aos factos. Daqui à supressão definitiva do C na expressão oral desta palavra será certamente um curto passo, que espero venha a ser creditado à agência noticiosa portuguesa pelas autoridades de Brasília. De facto. Quero eu dizer: de fato. E com gravata, já que no Palácio do Planalto – e falo do que sei, pois já lá estive – não nos deixam entrar sem ela.

Pedro Correia, hoje, in 'Hoje Macau'

Sem comentários: