terça-feira, março 16, 2010

GAMA INDEPENDENTE

> O presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, decidiu a favor da oposição e tirou um deputado ao PS na comissão de inquérito para saber se o primeiro-ministro mentiu no negócio da compra da TVI pela PT.
A questão foi levantada por uma carta do presidente da comissão de inquérito, Mota Amaral, do PSD, que fez contas e descobriu que os socialistas fariam maioria com qualquer partido da oposição, mesmo os mais pequenos, como o PCP e o Bloco. E não respeitava o princípio do paralelismo com a representatividade dos grupos parlamentares. Era o que argumentava Mota Amaral numa carta enviada a Gama.
A discussão foi longa na conferência de líderes de hoje. O PS opôs-se a esta mudança, lembrando que já há uma comissão de inquérito em funcionamento (a da fundação dos “Magalhães”) e que nenhum dos partidos da oposição se manifestou contra. O que levou a deputada Ana Catarina Mendes, do PS, a questionar o critério da oposição, que, assim, dependeria do objecto do inquérito.
Com a composição inicialmente prevista, o PS poderia servir para aprovar um relatório ou as conclusões do inquérito e não apenas com o PSD e CDS-PP.
Depois de ouvir os partidos, Jaime Gama decidiu a favor dos partidos da oposição, sob protestos dos socialistas. Assim, o PS ficou com sete deputados, “perdeu” um para o CDS, que passa a ter dois. O PSD fica com seis e Bloco e PCP com um cada.

Sem comentários: