sexta-feira, fevereiro 05, 2010

SÓ EM PORTUGAL


> Há uns anos, quando visitei pela primeira vez o Circuito de Nurburgring, na Alemanha, estranhei que o autódromo estivesse desterrado no meio da floresta, longe de tudo e de todos. Explicaram-me que a tendência em todo o mundo visava a defesa da qualidade de vida. O ruído e a poluição resultante das corridas não deviam prejudicar os habitantes das povoações. Verifiquei mais tarde que, em outros países, a opção pela localização de autódromos era idêntica à alemã.
Qual não é o espanto quando agora tomo conhecimento que, inacreditavelmente, no Algarve, verifica-se precisamente o contrário. A empresa exploradora do autódromo de Portimão, Parkalgar, acaba de lançar no mercado um projecto de apartamentos residenciais junto ao autódromo.
É o absurdo total. Como é possível uma Câmara Municipal licenciar um local para residências junto do ruído permanente de um local de corridas de carros e motas? Como é possível em pleno século XXI que se coloquem pessoas a residir onde o ruído [elemento comprovado de maior responsabilidade nas depressões do ser humano] é a batuta da orquestra?
E o "crime" é de tal forma agravado, quando a dita empresa anuncia para o local, além do complexo habitacional, a construção de um hotel de 5 estrelas.
Agora já se começa a entender muita coisa...

2 comentários:

Anónimo disse...

PARA COMPREENDER A ABERRAÇÃO DESCRITA BASTA, QUEM DE DIREITO, AVERIGUAR QUAIS AS COMPENSAÇÕES ENVOLVIDAS, EM TERMOS INDIVIDUAIS, AOS ELEMENTOS QUE TÊM AUTORIDADE PARA DECIDIR E, INSTITUCIONAIS, À PRÓPRIA INSTITUIÇÃO CAMARÁRIA, EM PROVEITO DOS MUNICIPES OU DA PRÓPRIA ESTRUTURA DIRIGENTE DO MUNÍCIPIO.
SITUAÇÃO QUE, NA SUA ESSÊNCIA CONSTITUI UMA FORMA ENCAPOTADA DE INADMSSÍVEL CORRUPÇÃO.

Filipe disse...

meus amigos... quem vai para lá nao se pode queixar do barulho.
cala-se, paga e nao bufa..

deve ser para enganar mais uns ingleses