quarta-feira, fevereiro 10, 2010

RANGEL REFERIU OS BLOGUES


> Se eu fosse militante do PSD votava em Paulo Rangel só por uma razão: referiu-se à importância dos blogues. O candidato à liderança do PSD salientou os testemunhos de descontentamento e protesto que grassam nos blogues contra a situação actual que se regista na política governativa. Até que enfim, que temos um político a salientar em discurso de grande impacto a importância dos blogues na sociedade portuguesa.
O eurodeputado social democrata Paulo Rangel afirmou hoje ter sentido a "responsabilidade nacional" de ser candidato à liderança do PSD devido às "circunstâncias excecionalmente graves" do país.

Durante o anúncio da sua candidatura, num hotel de Lisboa, Paulo Rangel apresentou-se como um candidato que quer fazer "uma rotura com quinze anos de políticas socialistas" e "libertar o futuro".

"Portugueses, caros militantes do PSD: Disse-vos há mais de três meses que, em razão do cumprimento do meu mandato europeu, não pretendia ser candidato à liderança do PSD", recordou o eurodeputado.

"No quadro das circunstâncias excepcionais em que vive o país - e que se revelaram com uma intensidade perturbante nos últimos três meses - e, em particular, o agudizar da situação económico-financeira, o aprofundamento lancinante da crise social e a degradação que acelerada e insustentável do executivo - em face dessas circunstâncias excepcionalmente graves sinto o apelo moral e o dever cívico, sinto mesmo a responsabilidade nacional de apresentar a candidatura à presidência do PSD", justificou, em seguida.

Paulo Rangel, que discursava perante um fundo branco e laranja com o símbolo do PSD, qualificou as circunstâncias actuais de "quase dramáticas".

"A autoridade, o prestígio e a confiança nas instituições políticas - designadamente no Governo - tem vindo a degradar-se de dia para dia, como bem mostram acontecimentos mais recentes. Até o poder judicial vive tempos de desgaste continuado, suscitando cada vez menos confiança no povo e na opinião pública", considerou o ex-líder parlamentar do PSD.

"No actual estado de coisa, já não basta mudar. É preciso romper", defendeu.

Paulo Rangel afirmou que a sua candidatura não é "uma candidatura preparada, não dispõe de exércitos alinhados, não foi inspirada em almoços ou reuniões com estruturas partidárias ou com personalidades gradas do partido" e que não fez "qualquer convite a militantes, personalidades ou amigos para a presença nesta sala esta noite".

Esta candidatura à liderança do PSD pretende ser "um movimento político nacional aberto e voluntário", acrescentou.

A vice-presidente do PSD Sofia Galvão e os deputados Luís Rodrigues, Pedro Saraiva e Nuno Encarnação foram alguns dos sociais democratas que estiveram presentes na apresentação da candidatura de Paulo Rangel.

1 comentário:

Carlos Dias Ferreira disse...

João:

Como afirmei ontem acho Paulo Rangel um excelente candidato a lider do PSD espero é que não se deixe enrredar pelos interesses instalados.
O objectivo é ganhar o partido mas acima de tudo o país é necessário de uma vez por todas pôr termo à ditadura socrática que nos persegue desde 2005.