terça-feira, fevereiro 02, 2010

O POUPADINHO


> Está descoberta a razão pela qual Belmiro de Azevedo está podre de rico, apresentando-se sempre como poupadinho. O magnata dos centros comerciais, supermercados, Optimus, Sonae, Fnac, 'Público' e de um grande etecetra, em entrevista recente disparou em todos os sentidos e chegou a dizer que os salários dos portugueses eram baixos. Belmiro esqueceu-se de dizer o que se passa nas suas empresas, onde escandalosamente os trabalhadores são explorados. São aos magotes as pessoas que trabalham para o império Azevedo e que ganham um salário miserável. E o pior de tudo é que o "poupadinho" até poupa nas horas extraordinárias dos trabalhadores. Agora, o patrão Belmiro dá-se ao luxo de pagar as horas extraordinárias com vales. Com o quê? Com vales, acredite. Os trabalhadores recebem vales de compras para o Continente, Fnac ou Worten. E os trabalhadores que não necessitam de comprar electrodomésticos, livros, discos ou outros utensílios? E os que tiverem na família alguém que seja proprietário de uma quinta e que lhes fornece as alfaces, couves, ovos, batatas, cenouras, alho francês, cebolas, fruta e que não precisem do Continente para nada?
Esta dos vales para pagar as horas extraordinárias só lembrava mesmo ao diabo, perdão, a um homem que enriquece cada vez mais à conta da desgraça alheia. Toda a gente precisa de trabalhar, né?...

2 comentários:

M. Dionísio disse...

Peço desculpa JES mas essa das pessoas que cultivam frutas e legumes não precisarem de vales de compras não faz lá muito sentido...

Para além de serem de certeza uma pequena minoria, não me diga que também fabricam as suas próprias pastas de dentes, shampôs, sabonetes, desodorizantes, detergentes, lava loiças, refrigerantes, enlatados, congelados, carne, peixe, leite, manteiga etc etc etc???

Claro que pode argumentar que as pessoas têm o direito de comprar onde quiserem, mas também parece fazer sentido que a SONAE queira que os trabalhadores comprem na empresa onde trabalham, até porque muitas vezes esses produtos têm grandes descontos para trabalhadores. Aliás é uma prática bastante comum (onde trabalho acontece exactamente o mesmo).

Quando aos salários, aí a história é outra. Todos sabem que pagam mal, mas infelizmente é um mal que grassa por este país fora..

jes disse...

O M Dionísio bateu exactamente no ponto. Cada um compra onde quiser e onde achar mais conveniente. E desde quando o trabalho deva ser paga em senhas? Desde quando não se pergunta ao trabalhador o que prefere, dinheiro ou senhas?