terça-feira, janeiro 26, 2010

O SEXTO SENTIDO




Catarina Price*








Lamento sonoro que me acorda noite a meio
Uma porta bate em fúria
Um grito exprime o cansaço da vida
estou farta, quero morrer!”
Tapo a cabeça. Não quero ouvir.
Chora a criança, em t
error, acordada
Pés batem com força, fuga em desespero
Abre-se o estore, uma janela de vidro bate de impulso e oiço os estilhaços no chão
Oxalá estejam calçados, lembro-me de desejar
O choro da criança insiste, a criança insiste no choro
Na esperança de os fazer parar.
Estou farta, quero morrer! Grita a voz esganiçada de raiva e de dor
Uma chave roda a fechadura, abre-se a porta para a rua
Os gritos sobem de tom
As palavras perceptíveis
traição apanhada, mentira escondida, vida arruinada
Dou-me, de repente, conta que deixei de ouvir a criança
Prudente, desistiu.

*Cronista residente

2 comentários:

Margarida disse...

Esta faz parte daquela outra REALIDADE, que não se explica mas que tem, infelizmente, uma "população de seguidores" que não viram costas!!! Porquê? Não sei, embora os estudiosos dessas matérias digam que uma das explicações (e deve haver muitas...) se aparenta com a Síndrome de Estocolmo. Enfim, seja o que fôr, é muito mau e destruidor e, os pequenos indefesos choram por medo mas não sabem porquê! Mais uma vez alertaste para, não uma ferida mas uma ENORME CHAGA SOCIAL. Bjs G

CPrice disse...

Gui querida e tão perto de nós que a mim, chega a doer-me também.

Um beijo *