segunda-feira, janeiro 25, 2010

MAIS UM BUFO PARA O SHOW

> De vez em quando as polícias têm a necessidade de mostrar ao povinho que pode estar descansado que os seus filhos vão passar a não encontrar qualquer droga no mercado.
De vez em quando as polícias anunciam a captura de uma certa quantidade de droga, anúncio sempre acompanhado das câmaras de televisão.
De vez em quando lá salta um bufo para a ribalta que foi infiltrado no gangue dos traficantes de droga e informa o dia, as horas e o local de desembarque da droga.
O show off seria perfeito... se ao mesmo tempo não estivessem a entrar em Portugal, por terra, ar e mar, muitas outras toneladas. ..

8 comentários:

manuel gouveia disse...

Meu caro, só conta as que aparecem no telejornal...

a.marques disse...

Arte decorativa por encomenda. É o Portugal espectáculo total!

Pedro Oliveira disse...

Se vivessemos num mundo perfeito, não havia bandidos, criminosos, traficantes, droga, assaltos, raptos, violações, atentados e tudo mais.

Mas como não vivemos, a polícia tenta fazer o melhor possivel para combater isto tudo com os poucos meios que dispõe. E faz muito bem o trabalho, comparada com muitas outras polícias por este mundo fora.

Esse "show off" a que chama as coberturas televisivas das apreensões de droga é muitissimo mais complexo do que você pensa.

Está mais que estudado em ciencia criminal que estas exposições não só têm um efeito disuasor na sociedade como são importantes no combate ao crime ao fazer passar uma mensagem de que o crime não compensa. São também essenciais para a moral dos investigadores e pessoal da PJ que desenvolve o trabalho durante meses ou até anos e vê assim o resultado reconhecido publicamente.

Claro que há muitos outros crimes que não são resolvidos ou droga que não é apreendida, mas como disse, este mundo não é perfeito e os policias são apenas humanos.

Você é que parece ter um prazer incontrolável em criticar tudo e todos, por tudo e por nada, mesmo quando o trabalho tem resultados à vista de todos.

Mas você lá sabe...

Pedro Oliveira disse...

Então porque não concordei com o seu post, o meu comentário não é publicado?

jes disse...

Anónimo Pedro Oliveira

Sei, sei... e infelizmente sei de mais, por toda uma vida a ouvir os queixumes dos mais diferentes agentes policiais.
Para não perder muito tempo apenas dizer-lhe que é lamentável que se gastem mais milhões com os infiltrados em detrimentos do pagamento das horas extraordinárias dos agentes policiais.

E como socratino que você é, saliento apenas que as minhas críticas sempre tiveram fundamento e nunca veio ninguém rebatê-las.
Nem você, que armado em defensor do nada, não desmente que todos os dias está a entrar droga em Portugal. Ponto final.

jes disse...

Fique sabendo que devido a problemas de saúde não assisti o blogue desde ontem de manhã. Voltei agora mesmo. Libertei o seu comentário imediatamente, tive o trabalho de lhe responder e como você é o típico insolente e provocador, mude de nome, porque com Pedro Oliveira não publica aqui mais nada.

a.marques disse...

Há quem defenda que estas exposições/exibições tem um forte efeito impulsionador mais que disuasor no alastramento do crime. O essencial não pode ser portanto verem o esforço reconhecido publicamente. E como na verdade o mundo não é perfeito, em Portugal pelo histórico acumulado até parece que o crime vai compensando.

Anónimo disse...

Um agente da PSP detido, com outros dois homens, após um assalto e sequestro num armazém de roupa, em Braga, é suspeito de integrar um grupo organizado que também se dedicava a roubar droga a traficantes. Arma de serviço terá sido usada nos crimes.

O grupo em causa, que será composto por cerca de uma dezena de indivíduos, está a ser investigado, desde Maio do ano passado, pela Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes da Polícia Judiciária. Em causa estavam vários casos de "banhadas" a traficantes de droga, em que estes eram ameaçados com armas e até sequestrados, ficando por vezes amarrados.

Os suspeitos conseguiriam, "através de informações obtidas no meio criminal", saber antecipadamente as horas e os locais onde iriam ocorrer as transacções de estupefaciente, muitas vezes de drogas duras. Depois, simulavam operações policiais, chegando a exibir crachás, de forma a apoderarem-se de elevadas quantidades de produto, que posteriormente comercializavam. Terão mesmo planeado o assalto a uma ourivesaria no Porto.

Aquela actividade, de acordo com a PJ, desenvolveu-se "do Minho ao Algarve" e proporcionou aos elementos do grupo "lucros expressivos".

Amarrados no armazém

O primeiro golpe a esta rede aconteceu na noite do passado sábado, pelas 22.30 horas, em Gualtar, Braga. O agente da PSP do Porto, de 32 anos e a frequentar um curso de subchefes, foi interceptado pela PJ de Braga, pouco depois de ter assaltado um armazém de pronto-a-vestir, em colaboração com outros dois indivíduos, todos encapuzados.

O trio preparava-se para sair do local depois de ter sequestrado um funcionário e dois clientes do estabelecimento, que foram deixados "presos" num compartimento. Quando foram encontradas pelos inspectores, as vítimas estavam deitadas e com as mãos amarradas nas costas.

Os assaltantes tinham um furgão no qual iriam transportar os cerca de 5000 euros em vestuário roubado. Foi também apreendida a arma de serviço do polícia, uma pistola de calibre 7,65 milímetros (mm), que poderá ter sido utilizada noutros roubos de mercadoria de que o grupo é suspeito.

Os detidos foram presentes, ontem, ao Departamento Central de Investigação e Acção Penal, em Lisboa, para aplicação de medidas de coacção, que ainda eram desconhecidas à hora do fecho desta edição.