domingo, janeiro 24, 2010

ASSIM É FÁCIL SER RICO

> Uma dívida de 700.000,00 Euros, de IRS, de António Carrapatoso, figura de proa da Telecel/Vodafone, prescreveu.
Por que razão prescreveu esta dívida? Por que razão não se procedeu à cobrança coerciva, dado que o contribuinte em causa não tem, nem nunca teve, paradeiro desconhecido?
Aliás, António Carrapatoso nunca deixou de aparecer, com alguma frequência, nos ecrãs da televisão, em entrevistas e comentários, onde sempre defendeu as virtudes do "sistema" em que vivemos e que nos é imposto (pudera!!!).
Esta dívida não pode prescrever porque se trata de dinheiro devido ao Estado, ou seja a todos nós.

2 comentários:

a.marques disse...

Os declarantes do ordenado minimo nacional estão isentos de cobranças fiscais enquanto não forem aumentados.

Jorge Cabral disse...

Se tivéssemos uma PGR com gente elementarmente decente, porque nem sequer competência é preciso para se agir num caso tão escancarado como este, se tivéssemos gente dessa, dizia, estaria já em curso um inquérito à repartição de finanças em causa para ver, entretanto, quantas enxergas, quantos micro-ondas, quantas pobres mesas de sala de jantar, quantos vencimentos de 600 e de 700 euros penhoraram tais senhores a pessoas que nada mais possuíam.
Não quero fazer aqui mais considerações, não porque não saiba, mas porque o que dissesse ficaria sempre muito aquém do que deveria dizer. Deixo por isso o resto à consideração e imaginação de cada um.