sexta-feira, novembro 30, 2007

SMS DN (2)

"Mário Soares é pessoa muito abastada. Como atravessamos uma crise económica, lanço-lhe um desafio: porque não prescinde de segurança da GNR, 24 horas por dia, todo o ano, na mansão de férias do Algarve, e do gabinete com assessores, motorista e segurança para si e esposa? Todas estas despesas saem do Orçamento do Estado e bem podia suportá-las, dando aos portugueses uma aula prática de socialismo solidário. Aceita?"

Cristina Santos, Lisboa

O que é bom é para se ver (31)


Esta menina de hoje é dedicada a todos quantos no Corta-Fitas publicam à sexta-feira umas miúdas interessantes.

Breaking news (11)

A equipa da Polícia Judiciária que investiga o desaparecimento de Madeleine McCann já sabe que os exames aos vestígios recolhidos na casa e no carro dos pais da criança são inconclusivos. A má qualidade das amostras não permitiu aos investigadores do laboratório de Birmingham separar os vários tipos de ADN recolhidos. Só com base nos testes, não é possível afirmar com certeza que Maddie morreu no apartamento e foi transportada no carro alugado por Gerry e Kate McCann.

Sócrates vai ao Thaj Mahal


O primeiro-ministro vai visitar o Thaj Mahal. Haja alguém que avise José Sócrates para perfumar os pés. Vão mandá-lo tirar os sapatos.
Haja alguém que diga ao governante português que na mesma data - 1640 - que ele não comemora por estar ausente, estava a ser construído este mausoléu.
Haja alguém que diga ao responsável máximo pela Economia portuguesa que a mármore branca utilizada na construção do monumento foi oriunda de Vila Viçosa.

Blogando com prazer (25)

Se não é, parece

Intitula-se «A Culpa dos McCann». O autor é Manuel Catarino, chefe de redacção do Correio da Manhã e quem escreve o prefácio é Francisco Moita Flores. Livro, capa e mais informações têm embargo até dia 3 de Dezembro, mas a editora Guerra & Paz vai avisando: «O título deste livro, A Culpa dos McCann, não é um ponto de chegada, mas um ponto de partida. Este livro é essencialmente um trabalho jornalístico (…) Não aponta um dedo acusador aos McCann». Claro que não. Que disparate! Enfim…Há notas de imprensa capazes de ensinar spin ao vigário.

João Villalobos , in Corta-Fitas (Recomendo)

Verdade insólita

A greve geral que hoje teve lugar na Função Pública afectou muito o serviço em escolas, hospitais, municípios, juntas de freguesia, tribunais, transportes, serviços alfandegários, ministérios, museus e seus derivados. Pois, o Governo diz-nos que só 20 por cento aderiu à greve. Querem ver que a greve foi na Índia...

PS - O leitor Ergela acaba de nos informar (18:35 horas) que houve professores que pretenderam entrar nas escolas e que foram impedidos pelos piquetes de greve.

Breaking news (10)

Um homem de 22 anos encontra-se há várias horas barricado numa habitação no Bairro da Horta Nova, perto de Telheiras, em Lisboa, para tentar evitar a detenção policial em cumprimento de um mandado judicial de captura. O homem barricou-se na casa de uma vizinha no prédio onde habita, quando, cerca das 11.00 horas, uma patrulha policial o avistou na rua e pretendeu detê-lo. O homem tem "um longo cadastro", conseguiu escapar à captura e barricou-se, com um cão de raça Pitbull e com uma arma de fogo.


Chá das cinco (3)


Charlize Theron

Cantinho dos poetas (3)

Se vós Mundo
cantais os prazeres do meu corpo
e se nele tu buscas poesia...
Eu Mulher...
canto a minha alma violada.
Se tu Homem do Mundo...
encontras nos meus braços o cantar,
o sonho, a ilusão do teu esquecimento...
Eu, Mulher, canto
a tortura que me deste...
pensando na irreal carne
esquecida, da minha imortal alma...
Se tu, Ítis, hoje deambulas esquecido
porque seguiste as pegadas de Teseu...
Eu, Mulher, encontrei-me
segura e livre ao procurar
as incertas chaves do teu Mundo.
Na teia!... Caminhei...

Filomena Julieta Custódio

Gosto muito de animais (17)


Foto Vítor Ribeiro

Procura-se grávida


Depois de Demi Moore se ter deixado fotografar para a revista Vanity Fair com toda a barriga que Deus lhe deu à mostra, coube a vez a Christina Aguillera ser capa da Marie Claire. O nosso blogue procura uma portuguesa, actriz ou cantora, que esteja grávida e que não se importe de ser capa aqui nesta revista Pau Para Toda a Obra...

"Sistema energético é patético"


Foto Adelino Meireles

Portugal poderia poupar 8% da electricidade que consome investindo 400 milhões de euros em medidas como a generalização de lâmpadas eficientes, utilização de vidros duplos nos edifícios e controladores de potência na indústria. Joanaz de Melo, presidente do Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA) e professor universitário, garante que, num período de apenas três anos, a poupança energética alcançada seria suficiente para pagar o investimento.
De acordo com o responsável, ao longo dos últimos 30 anos, Portugal tem vindo a "perder terreno" na eficiência energética face aos países da União Europeia a 15, gastando agora mais 30% do que os parceiros comunitários para produzir o mesmo. "Por cada euro de riqueza que geramos, gastamos mais 30% do que os outros", afirma Joanaz de Melo.
A recuperação total deste atraso, adianta, implicaria investimentos de 10 mil milhões de euros, quatro vezes mais do que o Governo prevê que seja investido em barragens nos próximos anos. Um valor elevado, mas que traria benefícios a médio-prazo.
Já a redução de 8% do consumo seria "fácil de conseguir, se houvesse mais informação e incentivos para a aquisição de equipamentos eficientes" por parte das famílias e empresas. O sector dos edifícios, lembra, é responsável por cerca de dois terços do consumo eléctrico e a política energética nacional "não tem promovido" a eficiência.

"Sistema patético"
"O nosso sistema energético é patético", lamenta, aludindo ao facto de se privilegiar a construção de mais dez grandes barragens em vez de apostar na eficiência. Estes grandes projectos hídricos, adverte, apenas vão garantir 3% da energia do país, gerando pesados impactos ambientais e não resolvendo o problema da chamada intensidade energética do Produto Interno Bruto, onde estamos na cauda da UE.
A aposta, sublinha, devia ser no incentivo à poupança energética, ou seja, do lado da procura, e não do lado da oferta de energia através de grandes projectos hídricos que apenas servem para dar trabalho ao "lóbi do betão", numa altura em que todos os grandes projectos - como a alta velocidade ferroviária ou o novo aeroporto de Lisboa - estão atrasados face ao esperado.
O responsável lamenta ainda que não se tomem medidas fiscais de estímulo à poupança, como a diferenciação do IVA dos electrodomésticos em função do seu grau de eficiência energética. "A ausência de políticas coordenadas tem levado ao aumento do consumo (4% ao ano nos últimos cinco anos) e não é fazendo mais barragens que se resolve o problema", afirma.

Ricardo David Lopes, in JN

Cuidado com o Contraditório


Se hoje ao fim da tarde, mais concretamente depois das 19.00 horas, tem a intenção de ouvir rádio, então, cuidado. Não sintonize a Antena 1 nesse horário, porque vai para o ar um programa de nome Contraditório que é algo intragável. À volta do microfone dizem-se os maiores disparates por minuto, com a veleidade dos intervenientes pretenderem arvorar-se em comentadores políticos. Desligue ou mude de frequência. O éter, neste caso, faz desmaiar. E os seus ouvidos agradecem.

Pergunta da semana (5)

Ser-se presidente (Jorge Coelho) do Congresso das Comunicações terá alguma influência para quem irá receber a concessão do Governo para mais um canal privado de televisão?

Cozinheiro de ouro


Miguel Veloso diz que é uma espécie de modelo que joga à bola no Sporting. O seu vedetismo (talvez apressado) levou-o a pintar o cabelo de tom dourado, vestir um fato dourado, gravata dourada, peúgas douradas, cuecas douradas e sapatos dourados. E ainda não é nenhum Cristiano Ronaldo, imaginem se fosse. Na edição de hoje do DN Sport deixou esta máxima "Faço uns bons bifes e também alguns pratos de massa". Cuidado com as indigestões... douradas!

Meio-dia (7)


Foto Amanda Com

- Quando for meio-dia visto-me...

Queridas motos (5)

Greve na FP encerra muitas escolas


Esta manhã em Lisboa viam-se imensos jovens a vaguear pelas ruas.

- Não tens aulas hoje?
- Não, é baril! Há greve...
- E o que é que estás a fazer com tantos jornais na mão?
- É baril, é o Metro! Andamos a distribuir o jornal pelos automobilistas...
- Mas tens familiares na administração do Metro? Pediram-vos para fazer isso?
- Não, cota! Pagaram-nos!...

Este, o diálogo que mantivémos com um dos muitos jovens que em vários cruzamentos urbanos distribuiam o referido jornal. Pagaram-lhes? Será possível? Não quero acreditar, mas se pensarmos que tudo já é possível.... Os jovens estão na rua porque as escolas encerraram devido à greve na Função Pública.
O secretário-geral da FENPROF, Mário Nogueira, fez hoje de manhã um primeiro balanço positivo da greve da Função Pública no que diz respeito à educação, encontrando-se encerradas várias escolas de Norte a Sul do País. "Os dados que nos chegam são de adesão elevadíssima", disse à Lusa Mário Nogueira, ressalvando que ainda não é possível saber a adesão dos professores porque a maior parte das escolas encontram-se encerradas. De acordo com Mário Nogueira, há concelhos de Norte a Sul do país em que todas as escolas estão encerradas.
Em Lisboa estão encerradas as Escolas secundárias de Gil Vicente, Francisco Arruda, Restelo, Nuno Gonçalves, Paços Manuel, Marquês de Pombal, Telheiras, Almada Negreiros, EB 2-3 Olivais, Escola 1-7-5 dos olivais e Afonso Domingues.
No Porto estão encerradas a Escolas secundárias de Resende, Fontes Pereira de Melo, EB 2+3 Gomes Teixeira, EB Pires de Lima e EB de Gondomar.
No Algarve estão encerradas escolas nos concelhos de Loulé, Olhão, Silves, Lagoa, Vila Real e Quarteira.
Em Coimbra, as escolas secundárias D. Diniz, EB 2+3 Pedrulha, EB 2+3 Alice Gouveia e secundária de Condeixa encontram-se encerradas.
As três estruturas sindicais da Administração Pública marcaram esta greve conjunta "contra a intransigência do Governo nas negociações salariais", um ano após a realização da última paralisação conjunta, pelo mesmo motivo. Os sindicatos queixam-se nomeadamente de a equipa negocial do Ministério das Finanças ter iniciado o processo com uma proposta de aumentos salariais de 2,1 por cento e de ter encerrado as negociações com o mesmo valor.

Para o público feminino (13)


Foto Bruno M Ramos

GNR assalta bancos

Este país já não tem cura. A quem é que as pessoas se podem agarrar para sua segurança se chegámos ao ponto de agentes da GNR andarem a assaltar bancos. Onde isto já chegou. Um militar da GNR tentou assaltar ontem de manhã uma agência do BPI, situada em Sassoeiros, na freguesia de Carcavelos, mas foi detido já na rua por agentes da PSP da esquadra da Parede, em Cascais. A tentativa falhada ocorreu por volta das 09.00. O militar dirigiu-se ao balcão, abordou o funcionário e entregou-lhe uma folha em branco onde referiria. "Isto é um assalto passe para cá o dinheiro." O funcionário não cedeu à ameaça e accionou o alarme. Na PJ, há vários mandados de detenção para executar. O militar, de 30 anos, já se encontrava fora da sucursal - de onde não conseguiu retirar qualquer quantia -, quando foi abordado e detido por agentes de um carro-patrulha da esquadra da Parede. "Só após ter sido levado para a esquadra é que foi possível a sua identificação", referiu fonte policial. Mas o militar era afinal suspeito de outros sete crimes do mesmo tipo.
No entanto, não era a primeira vez que se dirigia àquela dependência para a assaltar. Aliás, o caso de ontem resultou na terceira tentativa falhada, tendo o suspeito sido reconhecido facilmente pelos agentes quando já se encontrava na rua. O excesso de dívidas terá sido o motivo apresentado pelo GNR para cometer este tipo de crime. A realização de outros assaltos terá sido confessado ontem pelo próprio à polícia. Por enquanto, desconhece-se ainda qual o valor total que os assaltos terão rendido. O militar, que desempenhava funções administrativas na secção de informática da Brigada de Trânsito, nas Janelas Verdes (Lisboa), desde o início deste ano, foi ontem presente a um juiz de instrução criminal do Tribunal de Cascais, tendo-lhe sido aplicada a medida de coacção mais leve - termo de identidade e residência. Em liberdade poedrá assaltar mais bancos...

Delícias para a visão (39)


Amanhecer no Funchal - Foto Jorge Nelson Alves

Diarreia na India

- Allô?!... Yes, yes, i am here in India where at this moment i eat a very good caril... yes is very picante, very hot to my language... I want know what happen there about the grave... ai, how se diz... don't remember now... ai, yes, yes... strike, yes strike... como vai a strike, sorry, how go the things there with the strike?... what?... não lixo? very much lixo?... Que se lixe... sorry... and about the rain?... yes, the rain! I ask you if the rain also in strike?... Whithout rain no water no whisky to Cimeira UE with Africa... yes... what?... the strike is 100 per cent? Assim vão todos para o olho da rua... sorry, i said that if the workers don't work i put all out... yes, here in India i must speak english but is very difficult because the caril is very piri-piri... what?... Cavaco send to the Court Constitucional the law of carreiras?... Sacaninha, só dá força à greve... sorry, the guy want put me in cheque... yes the business with India is very good... yess can open more four hundred shops indianas e ainda mais they can built more ten hotels da marca Sana ou como é que se diz... sorry... i am to earing very bad because i have some ruidos no telemovel... sorry... yes, here in India i don't care with the greve, sorry, the strike... the strike is very good for me, very good... why?... Allô?... why is very good for me? I don't know why ask to Jose Judice he is very good for me because speak by me... sorry i must finish this call because the piri-piri already put me in diarreia... bye, bye... bye...

quinta-feira, novembro 29, 2007

O que é bom é para se ver (30)


Foto Tuta

Uruguai entrega armas


O Exército do Uruguai iniciou a devolução de sete mil fuzis M1, seis mil carabinas e 450 metralhadoras que o governo dos Estados Unidos emprestou ao país no tempo da Guerra Fria, informaram hoje fontes militares.
O armamento que deixou de estar em uso e que se começou a devolver aos Estados Unidos está, na sua maioria, em muito bom estado e com um elevado poder de fogo.
Na década de 50, o Uruguai acordou com os norte-americanos o ingresso no "Programa de Assistência Militar", pelo que recebeu armamento, munições, veículos, aeronaves e navios de guerra. O programa estabelece que o Uruguai pode usufruir do equipamento mas que o Governo de Washington se mantém como proprietário, pelo que o país sul-americano terá que devolver tudo o que deixou de estar em uso aos Estados Unidos ou, por acordo de ambas as partes, proceder à sua destruição.

Uruguai com mais brasileiros


Esta imagem mostra-nos uma das fronteiras mais populares entre o Brasil e o Uruguai por onde passam milhares de pessoas. Segundo os últimos dados estatísticos, este ano de 2007 constituiu aquele em que um maior número de brasileiros entrou em território uruguaio.

400 farmácias podem fechar


A Ordem dos Farmacêuticos (OF) estima que 400 farmácias encerrem com a abertura ao público das farmácias hospitalares, tendo pedido à Autoridade da Concorrência um parecer sobre esta medida, por considerar que estes últimos estabelecimentos terão uma posição dominante no mercado.
Com base em estudos encomendados pela própria Ordem, dados de centros de saúde inscritos no antigo Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde, relatórios de hospitais empresa, receitas emitidas, lotes aviados e a proximidade geográfica das farmácias, a OF estima que 400 farmácias fechem quando as farmácias instaladas dentro de hospitais passem a ser acessíveis a qualquer utente.
"Com efeito, cerca de 50 entidades (número aproximado de hospitais que poderão abrir concurso para a exploração de farmácias) podem facturar um número de prescrições grosso modo equivalente às de 400 farmácias (fora dos hospitais)", lê-se num documento divulgado esta quinta-feira pela OF aos jornalistas que cita um estudo deste ano do Centro de Estudos e Investigação em Saúde da Universidade de Coimbra.

Por mares nunca dantes blogados (14)

O homem que cheira mal dos olhos sai sempre do rebanho

Os dias, muito mais as noites,
na sua devastadora sucessão,
obrigam-me a um esforço tremendo,
para não cair na mediocridade.

Desde que caminho nesta dimênsão,
preso a um corpo que pesa
e que tresanda a morte,
sinto uma crescente admiração
pela massa anónima que sustenta o mundo.


O exército invisível marcha, frio,
executando o trabalho que ninguém quer,
mergulhado em ultrage,
gente sem ego nem som surround,
enganados até à medula,
traídos nas suas ilusões adsl.

Já dei por mim perfilando na canalha.

Já saí do rebanho em pânico e voltei a entrar derrotado.

Não passo de um eterno repetente.

O homem que cheira mal dos olhos sai sempre do rebanho !

Savél, in O Homem Que Cheira Mal dos Olhos (Recomendo)

À espera


- Estou à espera de fazer uma corridinha nas estradas dos Açores com um tal de JC que diz ter uma moto melhor que a minha...

A vergonha da semana (2)

Aeroporto na gaveta

O estudo desenvolvido pela Associação Comercial do Porto (ACP), que defende a opção Portela+Montijo, apresentado sexta-feira ao Executivo, irá ficar na gaveta. É que o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) já está a ultimar o estudo comparativo da localização do futuro aeroporto de Lisboa e a análise incide exclusivamente entre a Ota e Alcochete, segundo despacho do Governo.

Diga lá trezentos e trinta e três (17)

- Ó Zé Maria! Zé Maria!!!
- O que é, pá?!
- Olha para aquilo!... Que coisa boa!
- O quê, pá?!
- Aquele borrachinho!... Que maravilha, ai, que borrachinho!
- É pá, pareces um pedófilo!
- Pedófilo, não! Colombófilo!...

Blogando com prazer (24)

O músculo cardíaco

Uma zanga pessoal entre Vasco Pulido Valente e Miguel Sousa Tavares deu azo a uma crítica sulfúrica feita por aquele ao último livro deste. Um amigo meu que leu o livro diz que há nele mais outras imprecisões históricas, geográficas e de referência do que as que cita a valente crítica, citando-me algumas, desde a descrição de locais, à data em que surgiu uma certa marca de charuto fumado por uma das personagens.
De tudo isto, retiro uma pergunta: não tivesse havido a zanga, haveria a crítica?
Ou, talvez numa variante mais geral: quantos livros, imprecisos, mal escritos, insuportáveis de mediocridade, não andam por aí impunes, porque o crítico se não zangou com o autor?
Ou, agora num diferente e provocador modo de dizer: quanta crítica amável e complacente não coexiste com o inaceitável escrito e o mal amanhado estilo, por não haver zanga mas amizade, ódio mas amor?
Nos tempos da «Crónica Feminina», revistinha barata para corações pobres mas palpitantes, havia o «consultório sentimental». É isso que dita os tiques de alguma da nossa cultura e do nosso modo de ser crítico. O pensarmos também com o músculo cardíaco.
No meu caso assumo-o: gosto de ler o Vasco Pulido Valente, apesar de ele me irritar, nunca leio o Miguel Sousa Tavares, precisamente pelo facto de ele me irritar.
Eu sei que é um sentimento irritante este meu, mas só uma coisa me salva: nunca me zanguei com nenhum dos dois, pois não os conheço pessoalmente, a um só pela prosa, aos dois pela pose. E chega.

José António Barreiros. in A Revolta das Palavras (Recomendo)

Por mares nunca dantes blogados (13)

Os mal-amados

Um dos grandes vícios de uma boa parte dos colunistas «de esquerda» – em alguns dos quais encontro também, para que conste, muitas e boas qualidades – consiste em perderem mais tempo a etiquetar certas pessoas que não partilham dos seus pontos de vista, em metê-las em gavetas, gavetinhas e gavetões, do que a discutir as suas ideias ou a partilhar aquilo que elas (também) fazem de bom, útil ou interessante. Sob este aspecto, lamento ter de reconhecer que uma parte dos fazedores de opinião da «direita» que não é trauliteira tem vindo a comportar-se bastante melhor do que os seus semelhantes do outro lado da avenida.
Isto é particularmente detectável numa parte do universo dos blogues portugueses, dentro da qual absolutamente tudo aquilo que escrevam, digam ou façam pessoas por certo insuspeitas de serem ferozes inimigos do pluralismo como Vasco Pulido Valente, José Pacheco Pereira ou Pedro Mexia – para não citar mais – é logo reputado como algo que não merece um minuto de atenção, ou que traz com toda a certeza água no bico. Podem oferecer pérolas – e certas vezes oferecem – mas que importa isso? O sectarismo mais anacrónico e o preconceito travestido de uma qualquer «posição de princípio» tendem a eternizar-se. A tacanhez disfarçada de indiferença também. É a vida, dir-se-á. Mas esta vida poderia ser bem melhor. «Mais civilizada», diria, se a expressão não tivesse caído em desuso como sendo… «de direita».

Rui Bebiano, aterceiranoite.wordpress.com

Bola de ouro: Kaká vence Ronaldo foi segundo















O português Cristiano Ronaldo ficou em segundo lugar na votação para o Bola de Ouro de 2007, prémio instituído pelo bissemanário francês France Football, que oferecerá domingo o galardão ao brasileiro Kaká, noticia hoje a Gazzetta dello Sport.
Apesar de o nome do vencedor só ser divulgado oficialmente no domingo, dia da cerimónia de entrega do prémio, em Paris, o diário desportivo italiano avança hoje que Kaká, médio do AC Milan, será o contemplado com a Bola de Ouro e que o internacional português, do Manchester United, ficou no segundo posto.
Ainda segundo o jornal italiano, o resultado da votação concedeu ao avançado argentino Leonel Messi o terceiro lugar, com o "top-5" a ficar fechado com o goleador marfinense Didier Drogba, do Chelsea, e o médio Andrea Pirlo, também do AC Milan.
Na lista oficial de 50 candidatos, pela primeira vez aberta a jogadores a evoluir em todos os continentes, figuravam mais dois portugueses: Deco, do FC Barcelona, e Ricardo Quaresma, do FC Porto.

Mais um segurança morto

Um homem que exercia a actividade de segurança em discoteca foi morto na zona ribeirinha do Porto com vários tiros. os disparos tiveram origem de um carro que passou no local onde o segurança se encontrava a conversar com um amigo. Um crime muito semelhante ao que se registou recentemente. A polícia tinha difundido ontem que a criminalidade no Porto estava a diminuir. Nota-se...

Já tenho primeiro-ministro


Na minha qualidade de cidadão australiano acabo de ter um primeiro-ministro a sério. Kevin Rudd e o seu Governo entrou triunfalmente no salão onde tomou posse como o novo chefe do Executivo da Austrália.

Blogando com prazer (23)

Um novo começo



Quando iniciei este espaço há quase dois anos fi-lo pela mais pura das carolices. Tinha intenção de iniciar um blogue desde 2002, mas motivos profissionais e de outra ordem impediram-me de o fazer. Não sendo escritor profissional ou aspirante a tal, pautei-me sempre pela modéstia e pelo amadorismo.
Mesmo o nome do blogue, "Leocardo", igual ao do seu autor, foi obra do acaso. Não é acrónimo nem qualquer outra variação do meu verdadeiro nome. É apenas um nome que surgiu por acaso. Pelas razões mais diversas, o blogue ganhou visibilidade. Gosto de pensar que foram mais as boas que as más razões. Nunca tive a intenção de atacar qualquer individualidade, grupo, crença ou religião a cobro do anonimato. Se os "ataques" por acaso surgiram, foram por mera irresponsabilidade e inconsciência. Uma faceta da minha personalidade que gosto de chamar - e pode ser que esteja errado - "sinceridade", que me tem causado mesmo alguns dissabores, neste palco da vida em que todos somos meros actores.
Durante este ano de 2007 que se aproxima do fim, tornei-me praticamente escravo do blogue. Publiquei posts todos os dias (menos quando fui de férias), e como muitos dos meus queridos leitores devem ter reparado, estabeleci recentemente uma cota de 100 posts mensais. Nem sempre a musa inspiradora esteve do meu lado, e olhando para trás, confesso que tive muitas vezes de fazer aquilo que chamamos "encher chouriços". Orgulho-me no entanto de ter trazido um espaço aberto de discussão, fazer novos amigos virtuais, e sobretudo por ter tido a coragem, se bem que anonimamente, de "abanar" um pouco este sistema amorfo e conformista que temos nesta terra que amamos, Macau.
Antes de tomar esta decisão, pensei em aproveitar este dia parco em notícias de relevo, para renovar o "Leocardo em Macau". Não estou satisfeito com a aparência, com as fontes ou com o formato do blogue. Retirar os vídeos que já não existem, editar as fotos demasiado grandes, retirar as inúmeras imprecisões. Tarefa morosa e ingrata. Este blogue acaba aqui.
Mas nada como uma mudança de ares. O Leocardo vai continuar pela blogosfera, com um novo espaço, o Bairro do Oriente. Será um blogue muito mais generalista (se bem que me orgulho de ter sido considerado "regionalista"), mais bem apresentado, e sobretudo mais descontraído. Não garanto que o vá actualizar todos os dias, mas prometo que continuará a ser um espaço em que se fala de Macau, e para Macau.
O novo blogue terá o seu início a 1 de Dezembro, no próximo Sábado. Entretanto vou aproveitar estes próximos dias para refrescar as ideias. O "Leocardo" existirá a par do "Bairro do Oriente", durante mais alguns dias, e depois será definitivamente encerrado. Um grande bem haja a todos, obrigado por terem passado por cá, e espero encontrar-vos no novo espaço.

Este que vos quer bem,

Leocardo

Meio-dia (6)


- E que tal esta toilette para o almoço?...

Para o público feminino (12)


Foto Paulo César

Breaking news (9)

A vereadora do movimento Cidadãos por Lisboa, Helena Roseta, apelou esta quinta-feira ao PSD para que aprove na Assembleia Municipal o empréstimo a contrair pela autarquia lisboeta para o pagamento de dívidas a fornecedores contraídas em mandatos anteriores.
"É incompreensível para qualquer pessoa que o PSD tenha aprovado o plano de saneamento financeiro da autarquia que implica o pedido de um empréstimo e não aprove o empréstimo", disse Helena Roseta à agência Lusa, fazendo apelo para que "o bom senso" prevaleça nesta questão.

Gosto muito de animais (16)


Foto Sofia Oom

SMS DN (1)

Há meses o Diário de Notícias iniciou uma secção de grande alcance democrático. SMS DN passou a ser o local onde qualquer cidadão pode publicar o que entender, obviamente dentro dos parâmetros da lei de imprensa. Mas em SMS DN os leitores podem enviar através do telemóvel a sua mensagem SMS sobre qualquer assunto que acham por bem. Um local do jornal que passou a ser a autêntica Vox Populi.
Aqui passaremos a publicar o que acharmos interessante da rubrica em questão. Hoje extraímos esta:

"Gostava de saber onde foram encaixados os 950 milhões recebidos de Moçambique pela troca de Cahora Bassa?

Bela Faria, Lisboa

Queridas motos (4)

Advogados a 500 euros

Já são mais de 25 mil advogados em Portugal e o número não pára de aumentar. A luta por um lugar ao sol está no auge, caindo sobre notários e solicitadores a ameaça de desaparecerem.
Nestes últimos três anos, o Governo disponibilizou aos advogados mais de 100 milhões de euros no âmbito do apoio judiciário, sem questionar. Mas, entretanto, começou a afastá-los dos tribunais, apostando em julgados de paz e em centros de arbitragem para a resolução de conflitos, onde as defesas oficiosas são dispensáveis. Com um mercado de trabalho cada vez mais saturado, e sem hipóteses de avançar sozinhos, estes profissionais liberais obrigam-se à protelarização, sendo patrões uns dos outros. Alguns não chegam a auferir 500 euros por mês. Numa autêntica luta pela sobrevivência, apregoam agora a necessidade de cada português ter um advogado de família, fomentam a consultoria jurídica, combatem a concorrência ilegal (leia-se procuradoria ilícita), e tentam agarrar as actividades de notários e solicitadores, ameaçando devorá-los.
É neste quadro que quatro candidatos concorrem ao cargo de bastonário da Ordem dos Advogados (OA), uma das instituições portuguesas mais antigas e de maior prestígio. As eleições realizam-se amanhã. O vencedor será aquele que, durante a campanha, mais haja logrado penetrar junto dos mais aflitos, ou seja, junto dos menores de 40 anos, que já representam cerca de 50 por cento da classe.

Licínio Lima, in DN

Delícias para a visão (38)


Chaves - Foto Raul Coelho

Naufrágio em Lisboa

Na política usam-se os mais diversos truques para se conseguir os objectivos. Só que há truques tão gastos e de tal forma obsoletos que apenas descredibilizam os seus autores. Hoje, o povinho de Lisboa é confrontado com a posição do presidente do seu Município que amaça bater com a porta se os deputados da Assembleia Municipal votarem contra um empréstimo bancário de 500 milhões de euros que a vereação socialista entende indispensável para poder viabilizar a governação da Câmara. Bater com a porta? Demitir-se de uma função para a qual se candidatou há apenas quatro meses? Isto é quase o surrealismo. António Costa quando resolveu ser presidente da Câmara de Lisboa sabia perfeitamente qual era a situação financeira da edilidade lisboeta, aliás, foi o mote da sua campanha eleitoral. Apontou o dedo ao PSD por este partido ter esbanjado milhões de euros em pseudo projectos, tais como o do Parque Mayer e o da Feira Popular. António Costa sabia concretamente das imensas e volumosas dívidas aos fornecedores. António Costa sabia da situação dos muitos trabalhadores precários ao serviço da Câmara. Tinha conhecimento antecipado das centenas de problemas camarários. Resumindo, o actual presidente da Câmara ameaça virar as costas a si próprio baseando-se numa desgraça que poderá acontecer, quando ele sabia conscientamente que a desgraça já era.
Naturalmente que é aqui neste ponto que está o truque político. Costa vem agora apresentar o drama, o colapso, a rotura da máquina a que ele próprio preside, com o fim de impressionar o povinho votante. Costa sabe também que ao bater com a porta é para abrir outra porta. A de outras eleições antecipadas onde tentará obter a maioria absoluta porque a "malandragem" laranja que levou o navio para o fundo não quer agora salvar o náufrago. Mas que raio de marinheiro...

quarta-feira, novembro 28, 2007

Uma lástima


Foto BBC - Um dos golos do Liverpool contra o Porto apontado por Gerrard

O Sporting foi derrotado ontem pelo Manchester United por 2 - 1 e assim disse adeus à Liga dos Campeões. Hoje o FC Porto foi a Liverpool e levou com uma chapa 4 contra um golo de Lisandro. O Porto corre o perigo de não se classificar nem para a Liga dos Campeões nem para a Taça UEFA, porque tudo está em aberto no seu grupo. Por último o AC Milan veio passear até Lisboa e empatando por 1- 1, na Luz, fez com que o Benfica não possa continuar na Liga dos Campeões e terá que ganhar o último jogo contra o Shaktar para poder disputar a Taça UEFA. Enfim, é o futebol que temos...

O que é bom é para se ver (29)


Foto António Louro

Breaking news (8)

Grande incêndio no Poço do Bispo, em Lisboa. As chamas estão a atingir restaurantes, oficina de pneus e oficina de reparação de automóveis.

Estão todos feitos


A birra é geral: é na Ota! É na Ota! É na Ota! E pronto! Está dito! Os meninos que andam a falar em aeroportos noutros locais calam-se ou são expulsos da escola.

É quase assim o caricato da situação que se absorve das tomadas de posição que os diferentes intervenientes governamentais vão patenteando acerca da construção do novo aeroporto na Ota. Hoje foi o ministro da Defesa, Severiano Teixeira, que se apressou a conceder uma entrevista ao Expresso para salientar que "A base aérea do Montijo é dispositivo de forças e é fundamental para a Força Aérea e para o país e manter-se-á".
Elucidativo.

Bloco lateral

Esta tarde na Assembleia da República o deputado Nuno Melo do CDS insurgiu-se contra a reunião havida entre o PSD e o PS, no âmbito da discussão da nova lei eleitoral e denominando o facto como uma prova da existência do "Bloco Central".
Pedro Santana Lopes levantou-se e perguntou a Nuno Melo se as reuniões entre o CDS e o PS têm a ver com o "Bloco Lateral"...

Breaking news (7)


O deputado do PS José Vera Jardim suspendeu hoje o mandato por razões de saúde e foi substituído pela dirigente socialista Marta Rebelo, chefe de gabinete do subsecretário de Estado da Administração Interna. A suspensão do mandato foi hoje aprovada primeiro pela Comissão de Ética, Sociedade e Cultura e depois pelo plenário da Assembleia da República. Antes da votação em plenário, Marta Rebelo - que foi a 30ª da lista do PS às legislativas de 2005 pelo círculo de Lisboa - já se encontrava presente na Assembleia da República.

Blogando com prazer (22)


Álvaro Damiáças, in Nos Cromos do Cosnos (Recomendo)

Ovo Fabergé leiloado por 12.5 milhões de euros


O 'Ovo Rothschild', da autoria do joalheiro russo Peter Karl Fabergé (1846-1920), foi vendido hoje na Christie's de Londres por 12.5 milhões de euros (dentro das estimativas previstas de 8.5 a 13 milhões de euros) tornando-se não só na peça Fabergé mais bem vendida, como no relógio mais bem vendido em leilão.
De acordo com a leiloeira, a licitação do ovo durou cerca de "10 minutos muito tensos", acabando por ser vendido na sala a um comprador russo. O "Ovo Rothschild", foi uma encomenda da grande coleccionadora de Arte Beatrice de Rothschild Ephrussi (1864-1916) para ser oferecido como presente de noivado à futura cunhada. Apesar de não ser um Ovo Imperial (os que foram criados por Fabergé para a Família Imperial Russa entre 1885 e 1917), com estes altos padrões de qualidade existem documentados apenas mais doze.

Queridas motos (3)

O aborto do Sócrates

Conversa na mercearia

- Ó sô Manel, diga-me cá uma coisa?
- Digo-lhe duas, dona Rosinda!
- O aborto do Sócrates vem hoje nos jornais, já leu?
- O aborto do Sócrates?... Cuidado com o que diz dona Rosinda... olhe que ainda vamos presos...
- Eu tou a falar do aborto que o Sócrates aprovou ou lá o que é... aquela lei com que já toda a gente pode fazer aborto sem problema...
- A dona Rosinda está a falar da nova lei que foi aprovada pela Assembleia da República, não foi pelo Sócrates...
- Tá bem, mas não me atrapalhe porque foi o Sócrates que propôs a lei e que foi com o referendo prá frente!
- Está certo!
- Está errado! Então, veja lá isto... fizeram a lei do aborto, nã é?... Com essa lei e com mais abortos passaram a nascer menos bébés, certo?
- Certo, dona Rosinda!
- Se cada vez nascem menos crianças para quê é que anda aí o governo a construir creches por todo o lado?!...

Breaking news (6)

José Sócrates em Pequim passa ao lado da matéria política pertinente relativa aos direitos humanos na China. Sócrates afirmou que a questão dos direitos humanos não foi abordada por falta de tempo. O presidente em exercício semestral da União Europeia foi ainda receptivo e peremptório à ideia de que a China é só uma, rejeitando o referendo em Taiwan no sentido da independência de Taipé.

Meio-dia (5)


- Deixa-me ir pelas escadas que já estou atrasada...

Tanta loucura pelo aborto

Insultos. Debates. Controvérsia. Médicos contra médicos. Clínicas privadas a correr. Presidente contra primeiro-ministro. Referendo. Tanta loucura e saiu um aborto. Afinal, "Estou convicto de que não vamos ultrapassar os dez mil abortos por ano. Se assim for, teremos uma taxa de 10% em função do número de nascimentos, o que tornaria Portugal um caso excepcional, com uma das mais baixas taxas de aborto no mundo, em termos de países que legalizaram a interrupção da gravidez por vontade da mulher." Quem o diz é Jorge Branco, o coordenador do Programa Nacional de Saúde Reprodutiva.
A concretizar-se esta previsão, Portugal ficaria, de acordo com os dados existentes sobre a interrupção da gravidez no mundo, ao nível de um país como a Irlanda, em que o aborto é rigorosamente proibido (a lei é mais severa que a anterior lei portuguesa) mas onde as mulheres têm a possibilidade de ir ao Reino Unido interromper a gravidez. Com menos só a Áustria (3%, segundo dados de 2000), Malta (1,7%) e a Polónia (0,06% em 2004).

Gosto muito de animais (15)


Foto Rosário Soares

Gasolina quase de borla


Alegrem-se portugueses residentes e emigrantes que de vez em quando vêm aqui ao cantinho matar saudades e verificar se a casinha já está construída. Vamos ter certamente a gasolina ao preço da chuva, diria mesmo, quase de borla. A Galp está a trabalhar para nós, para bem do povo, para bem da nossa economia e para bem do Governo. A Galp está a surpreender o mundo e certos analistas das actividades económicas já consultaram várias bruxas no sentido de saberem como é que a Galp avança de uma forma sublime e perfurante. Já fura em vários mares nunca dantes perfurados. A Galp é Peniche. A Galp é Algarve. A Galp é Angola. A Galp é Brasil. A Galp é Venezuela. A Galp é Timor-Leste. Óptimo. Parabéns à Galp. Com tanto petróleo e gás natural conquistados vamos todos viver à grande e à francesa. À francesa? Que disparate, desculpem lá isso, porque tem de passar a dixer-se à grande e à portuguesa. Nos hospitais as curas terão remédio: petróleo! Nas escolas o professor é: petróleo! Na cultura todos os teatros e cinemas vão encher com: petróleo! Os restaurantes e hotéis de todo o país vão servir de borla pratos de: petróleo! Os ministros passam a lavar os Audis e Mercedes com: petróleo! Viva a Golpada, perdão, a Galpada, perdão, a Galp! Viva o petróleo, solução de todos os males deste cantinho à beira-petróleo plantado...

Idoso morre à espera do INEM


Um idoso morreu na manhã de segunda-feira em Sete Rios, Lisboa, e os seus familiares acusam o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) de ter demorado uma hora a enviar uma ambulância ao local. Fernando Barata pensionista de 93 anos terá sentido uma "indisposição súbita" quando se encontrava na paragem do autocarro n.º 70 da Carris, em frente ao Jardim Zoológico, às 10.25: "O meu sogro caiu na rua e ficou inconsciente", conta António Antunes, genro da vítima, esclarecendo que as pessoas que estavam ao seu lado contactaram de imediato o INEM.
Ana Maria Antunes, filha do idoso passou "casualmente" pela zona de Sete Rios e encontrou o pai estendido no chão. "A minha mulher voltou a ligar para o 112, apesar de lhe terem dito que outras pessoas já tinham dado o alerta ao INEM", explicou António Antunes, adiantando que dois agentes da PSP estiveram no local e também terão chamado uma equipa médica do instituto.

Ter queda

Quando era um jovem sonhador com estúdios de rádio, microfones, discos e programas através do éter ouvia os mestres da altura sempre a dizer "para esta coisa da rádio é preciso ter queda...". Talvez por esse facto nunca me ter saído da memória é que esta manhã dei por mim a pensar "ora cá está um fulano que não tem queda nenhuma para isto". Refiro-me concretamente a um jornalista de seu nome João Gobern, que pode ter muito jeito para escrever, mas a difundir o que escreve através da rádio, tem tanto jeito como o guarda-freios do eléctrico 12 para Alcântara passar a pilotar os aviões da SATA para os Açores...
Gobern escreve uns textos interessantes para serem escutados pelos ouvintes da Antena 1. No entanto, nada obriga que seja Gobern a ler os seus próprios textos. Para estar consecutivamente a enganar-se na leitura provocando a perda do significado das frases e a sequência auditivo-interpretativa do texto, mais vale convencer-se que nestas coisas da rádio é preciso ter queda...

Delícias para a visão (37)


É Natal no Porto - Foto Miguel Rezende

O ruído ensurdecedor dos aviões

Hoje não se falará noutra coisa. Ao abrir o rádio, ao ver televisão ou ao passar os olhos pelos diários lá estará o ruído dos aviões a aterrar na Portela + 1. Agora é mais um estudo, mais uma inteligência, mais uma descoberta, mais uma sapiência, mais um interesse escondido com LNEN de fora. Hoje a notícia é que a melhor solução para o novo aeroporto internacional é a manutenção da Portela e a construção de um novo no Montijo. Dizem as novas sumidades que o Montijo já tem uma base aérea e que a sua transformação é que resultará em cheio como muleta da Portela, que serve perfeitamente para continuar a receber os aviões. Sim, sim a Portela serve perfeitamente para dezenas de anos, à semelhança do que aconteceu em Hong Kong e onde não existiam as excelentes condições que encerra a Portela. Ainda não é desta vez que falam verdade ao povo português. Não faz falta nenhum aeroporto novo nos próximos vinte anos. Sejam verdadeiros e sérios e esqueçam as megalomanias que só servem para endividar o povinho para as próximas quatro ou cinco décadas. Não temos o direito de enquadrar as gerações vindouras na onda de egoísmo pecuniário em função dos dividendos que possam resultar para o bolso de uns quantos políticos e seus apêndices. Além do aeroporto, já sabem o que mais terão na berlinda noticiosa. Vão comer com mais umas reportagens em directo desde o prédio de Setúbal, onde há dias (não atrás) se registou uma explosão e que agora teriam descoberto que alguém abusivamente usou uma fracção devoluta tendo feito uma ligação de gás ilegal. Enfim, o folhetim continua. Tal como continuam as vitórias morais do Sporting. Joga bem, estava a ganhar em Old Trafford e acabou por vencer moralmente com uma derrota já para além do tempo regulamentar. Mesmo assim deram-lhe um prémio de consolação que é a participação na taça UEFA. Só não se percebeu a razão por que Miguel Veloso não ficou já em Manchester...

terça-feira, novembro 27, 2007

Queridas motos (2)


Esta é a moto linda, maravilhosa, de colecção com que o nosso correspondente nos Açores realiza as reportagens. J. C. tem falhado alguns despachos porque a "menina" não pode apanhar chuva...

O que é bom é para se ver (28)


Foto Rui Fajardo

Breaking news (5)

Luísa Mesquita, deputada do PCP, acaba de ser expulsa do partido. O Partido Comunista anunciou que Luísa Mesquita, também vereadora do Município de Santarém, foi expulsa de membro e militante daquela associação política.

Madrid, capital do desenho


Esta semana decorre em Madrid um encontro de desenhadores de 14 países, incluindo Portugal, e que servirá de porta para a realização de uma Bienal Iberoamericana de Desenho, uma organização da Associação de Desenhadores de Madrid.

Blogando com prazer (21)


Foto: Alex Krivtov

Queria ser uma criatura da noite.
Um felino.
Uma pantera ou uma outra que, dissimulada, andasse no breu como se nos seus olhos tivesse a claridade do dia.
Queria ser cobra e serpentear por entre os obstáculos, subir muros e árvores e com a língua provar o luar.
Queria ser partícula de água e navegar poças de água ou grandes oceanos.
Queria ser um anfíbio e poder andar ou nadar.
Queria poder escolher o meu ser, a minha essência entre terra, água, ar ou fogo.

mad, in Aliciante (Recomendo)

Queridas motos (1)


Nicky Hayden - Foto António Azevedo

Breaking news (4)

As futuras instalações do Instituto Português de Oncologia (IPO) serão construídas na capital junto ao parque da Bela Vista Sul, nos terrenos disponibilizados pela Câmara Municipal de Lisboa ao Ministério da Saúde, anunciou hoje o presidente do município, António Costa.

Cantinho dos poetas (2)

NO REGRESSO DA INCERTEZA IMPRÓPRIA


No hemisfério do sorriso, fico,
No rosto do sonho, avanço…
Tomo-me nos líquenes verdes!
Nas palavras cintilantes da tarde
No segredo da gaivota, livre
Pelas brumas da razão, sem nome
Pela ingenuidade da confidencia
No regresso da incerteza imprópria.

Suspiro paladares antigos…
Beijos que o festival incendiou!
O silêncio do desalento ainda ficou
O enlevo fresco das palavras emoldurou
O olho do furacão da santidade repousou!
O compasso adormecido… acolheu-me!
Esta seiva da noite coberta, ficou
No regresso da incerteza imprópria.

Nos meus lábios cresce a espuma!
O toque do labirinto da provocação…
O espaço traiçoeiro da inclinação,
A sementeira do sorriso onde te somo!
Em marés de desejo azul… um gomo,
O mar de epílogos despido, o sentido
A incerteza aberta da janela, larga
O silêncio de mim que adormece,
Na inutilidade do tempo curvo, fico
No regresso da incerteza imprópria.

Vila Franca de Xira, 27 de Novembro de 2007 – 15:11h
Jorge Ferro Rosa, in Caderno da Alma (Recomendo)

Para o público feminino (11)


Foto Paulo César

De moto


Para andar de moto nos Açores com o nosso correspondente J.C. só de jeans e botinhas... agarrem-se bem!

Vasco Pulido Valente bateu forte em MST

Foto Rui Gaudêncio

Tenho por hábito deixar de lado ao fim-de-semana os suplementos e revistas dos jornais Público, DN, Expresso e Sol para os ir lendo ao longo da semana. Ao ler o P2 do Público do passado sábado fiquei abismado. Ainda ontem tínhamos aqui falado de Miguel Sousa Tavares e não fazia ideia que voltasse a referi-lo tão depressa. Acontece que o historiador da República Vasco Pulido Valente leu o livro Rio das Flores de MST a pedido do Público. O historiador leu e apontou as falhas. Ai, meu Deus! Eu no lugar de MST nunca mais na minha vida escrevia qualquer livro, nem que fosse sobre vinhos e charutos.
Vasco Pulido Valente não gostou do livro e diz que MST não ilumina a época nem a percebe e que a obra vale pouco ou nada como romance histórico e que é pobre e vulgar como romance de família. Pulido, polidamente, analisa quase tim-tim-por-tim-tim e deixa algumas conclusões como estas:

"As personagens principais são pouco densas, sem complexidade ou interesse"

"Com erro atrás de erro, não há lugar-comum que Sousa Tavares nos poupe sobre o '28 de Maio', a personalidade de Salazar e a perversidade do Estado Novo"

"Resumos do que sucedeu em Portugal e no mundo (...) são de um primarismo, de uma banalidade e de uma ignorância que não permitem o mais vago entendimento do que se passou"

"Sousa Tavares precisa de 'encher' o romance, de o 'enchumaçar'. Para isso, usa fontes (...) Há passagens que quem se deu ao trabalho de ler a bibliografia percebe muitas vezes donde foram 'tiradas'"

"Não escreve como quem escreve um romance, escreve como quem escreve um relatório: directamente, com a mesma luz branca e monótona para tudo"

"No Rio das Flores há 17 descrições de comida. Dessas 17 só quatro ou cinco (e com muito boa vontade) se justificam"

"De quando em quando, Sousa tavares gosta de dar a sua sentença. Para apreciar a sua profundidade e a perspicácia, aqui vão algumas:
1º ´... O Corpo Expedicionário Português fora dizimado em dois dias de Abril à mais imbecil estratégia militar de todos os tempos - a chamada guerra das trincheiras...' Morreram 9 milhões de pessoas porque ninguém (pelo menos tão inteligente como Sousa Tavares) descobriu que a guerra de trincheiras era imbecil.
2º '... numa Europa ainda mal refeita dos efeitos catastróficos da imbecil guerra de 14-18...' E pensar a gente que se gastou tanto tempo a tentar perceber uma 'imbecilidade'.
3º '... toda a elite nacional de então, continuava a alimentar a lenda do regresso desse patético rei D. Sebastião - o mais imbecil, incompetente e irresponsável governante de toda a história de Portugal.' Isto é o que Sousa Tavares compreende de D. Sebastião e do sebastianismo.
4º '... o poeta (Fernando Pessoa) retirava-se (...) dedicando-se (...) à escrita da mais extraordinária obra literária que Portugal alguma vez tivera.' Nada de discussões.
5º 'A lista dos intelectuais que militaram pela causa da esquerda espanhola era absolutamente impressionante - não havia, praticamente, um escritor, um músico, um filósofo prestigiado, um Prémio Nobel, que lá não figurasse...'
Palavra de honra?
Estes juízos não são percalços, são sinais particularmente cómicos da imaturidade e presunção que permeiam o livro inteiro."

"O lugar-comum abunda: a actividade do Natal é 'desenfreada'; a 'continuidade das coisas' é 'reconfortante'; o filho de Diogo 'ensaia os primeiros passos'; as pernas de uma senhora são 'bem desenhadas'"

"Sousa Tavares não tem um 'estilo', se entendermos por 'estilo' uma forma característica de escrever. Sousa Tavares escreve como um jornalista: fluentemente e anonimamente. Quando quer ir mais longe e 'fazer estilo', os resultados não se recomendam. Um exemplo ao acaso: 'Parecia que Sevilha inteira flutuava com ele dentro de um carrossel de sensações, de excitação, rumo a um ponto qualquer onde tudo aquilo teria forçosamente de explodir num apocalipse.'"

"Como romance histórico e político da primeira metade do século XX, uma alta ambição, o Rio das Flores vale pouco ou nada. Com a sua superficialidade e a sua ignorância (a bibliografia do livro mostra principalmente o que ele não leu, ou seja, quase tudo), Sousa Tavares repete a versão popular 'esquerdista', sem 'iluminar' a época e sem a perceber. Como romance de uma família, o Rio das Flores é pobre e vulgar. Há quem se entretenha com esta espécie de produto, mas não se trata com certeza de literatura"

Portugal e os ditadores


O jornalista Pedro Correia tem manifestado no blogue Corta-Fitas a sua surpresa e indignação pela presença de, pelo menos, onze chefes de Estado que são uns ditadores de calibre sinistro na próxima Cimeira UE/África que irá ter lugar em Lisboa. Os currículos desses ditadores são tenebrosos. Qual deles o pior. Genocídios, prisões arbitrárias, eleições fraudulentas, censura, falta de liberdade de imprensa, oposicionistas mortos ou desaparecidos, corrupção a todos os níveis e com a Amnistia Internacional a denunciar continuamente a violação dos direitos humanos.
Portugal diz que é uma espécie de democracia. Mas não é uma ditadura. E afinal o que é que se ganha em contemplar reuniões com gente desta? Que altos interesses se levantam para que recebamos esta escumalha de criminosos em nossa casa e gastemos milhões de euros que tanta falta nos fazem? Se este Governo entende que esta sua atitude de promover uma cimeira para ajudar África no caminho do desenvolvimento e progresso é o melhor vector para o engrandecimento do seu prestígio internacional, desengane-se. Os povos africanos sabem bem quem os ajuda e quem desenvolve acções para o benefício e melhoria do seu modus vivendi. E esses povos sabem também que os ditadores que vêm a Portugal são os seus verdadeiros inimigos. Para vergonha dos nossos filhos, esses povos limitam-se a desabafar, relativamente ao Governo português, "com amigos destes não precisamos de inimigos...".

Isto está bonito...


Até os aliados já não se entendem. Pior. Criticam-se e ameaçam com represálias. O embaixador dos Estados Unidos da América em Portugal tem vindo a desancar no primeiro-ministro português de uma forma muito pouco vulgar. Alfred Hoffman criticou Sócrates por causa dos acordos entre a Galp e a sua congénere venezuelana, pelo facto de Sócrates ter convidado para jantar Hugo Chávez num momento em que o presidente venezuelano tinha sido rude para com a Espanha e por Sócrates estar decidido a retirar presença militar do Afeganistão. Sócrates até pode estar no caminho certo e essa é outra discussão. O que se indaga é da razão pela qual um país aliado e poderoso como os Estados Unidos vem, neste momento, atirar-se forte e feio. Como diz Martins da Cruz, ex-ministro dos Estrangeiros, "um embaixador dos EUA não fala sem instruções", daí a preocupação de muitos observadores políticos acerca das palavras do embaixador americano que está de saída no próximo sábado.
"Fiquei profundamente preocupado quando soube dos planos de Portugal para reduzir os seus esforços em prol da jovem democracia afegã", declarou Alfred Hoffman, acrescentando: "Mas não posso dizer que fiquei completamente surpreendido, uma vez que os líderes europeus parecem mais intimidados com as sondagens do que determinados a convencer as suas opiniões públicas da importância da luta no Afeganistão."
Belém não tomou posição e o Ministério dos Negócios Estrangeiros escusou-se a comentar as declarações de Hoffman, que na semana passada criticara os negócios da petrolífera portuguesa Galp com a Venezuela e a recepção de Chávez por Sócrates. Sobre o Afeganistão, aquele embaixador disse ainda que "virar as costas aos afegãos neste momento da sua luta será o mesmo que abandoná-los, assim como aos nossos princípios e à nossa própria segurança".